S O B R E  A  A U T O R A
Brinco de ser pelos meios e afins. Ser parte rock, parte jazz.  Parte bagunça, parte livros e roupas pela cama. E mesmo assim, não ser nada de um tudo meio inconstante. Me chamo Érica Pena, e costumo ter dezessete anos. Mas já me chamei Charlie em As vantagens de ser invisível e, no momento, sou Jaina Proudmore em A ruptura. Cresci com Harry Potter e voltei novamente a ser uma criança com Percy Jackson, em O Último Olimpiano voltei à adolescência. Essa coisa de nome e idade são, na verdade, um tanto quanto complicadas para quem vive tantas vidas.




Hoje, nessa quinta quase noite, venho falar sobre essa coisa estranha que é ter nome, idade e sonhos. Sobre como é gostar de política e rock, viver entre dois extremos da rebeldia quase insana, mas que me seguro e é escrevendo que coloco tudo em prática, me apaixonando por elfos nas fantasias e chorando ao perceber que biografias realmente contam histórias de verdade. Essa sou eu, uma adolescente de 17 anos que quer passar em Direito pra ver se consegue ter tempo para escrever livros quando passar para algum concurso.

Nada mais justo que, enquanto o tempo não chega, eu vá lendo alguns clássicos e no pouco tempo que me sobra ter o prazer de pegar em algum romance atual. Talvez quem esteja lendo já tenha percebido a minha inconstância, isso de não saber o que dizer e usar palavras complicadas para calar o meu ego, e ainda acho que até o devido momento eu não tenha falado nada sobre mim que possa chamar grande atenção.

Gosto de escrever sobretudo, qualquer coisa que me venha na mente. Gosto também de palavras favoritas, infinito, por exemplo. E é por isso que mesmo após tantos outros livros lidos e após alguns anos, As vantagens de ser invisível ainda é um predileto, assim como Fora de mim da Martha Medeiros e, atualmente, A menina que colecionava borboletas da Bruna Vieira. Gosto de gostar de bandas alternativas também, como The Temper Trap ou The Smiths, e ainda assim ouvir Black Label Society e me encantar mais uma vez pela voz do Zakk e seus acordes.

Deixe um comentário